O voluntariado como fator de conexão social

Uma nova pesquisa publicada pela Associação Americana de Psicologia mostra que o voluntariado tem um impacto significativo na longevidade, desde que as razões para o realizar sejam ajudar os demais ao invés de si mesmos. Segundo os estudos realizados, pessoas que se voluntariam podem viver mais tempo do que aquelas que não o fazem, desde que as suas razões para o voluntariado sejam em benefício dos outros em vez de si mesmos.

El-voluntariado-como-factor-de-conexión-social-672x372

O voluntariado tem resultados benéficos tanto para o doador como para o receptor. Além de promover a boa vontade, os voluntários têm uma maior conexão com os indivíduos da comunidade ou rede social com a qual está colaborando. O resultado é que quanto mais contribuem com a sociedade se sentem melhor, ainda que este trabalho não inclua salário e signifiquem limitações de seu  tempo.
As pessoas que fazem trabalho voluntário são mentalmente mais saudáveis. Não há limite de idade para se inserir, ou seja, o voluntariado promove um sentido de conexão social em qualquer idade. O tipo de participação que se realiza não é preponderante, o principal é que a pessoa esteja disposta a contribuir em algo que seja apaixonante e consequentemente positivo e saudável.
Por outro lado, tem sido demonstrado que as crianças, quando convidadas a participar em atividades voluntárias, são mais propensas a tornarem-se adultos ativos em suas comunidades, possuindo uma rede social maior e próspera e, portanto, em sua fase adolescente, a sensação de conexão  e pertencimento é melhor, sua participação é valorizada para uma pessoa de sua idade, o que afeta positivamente sua saúde mental e bem estar.
As pessoas que se sentem mais conectadas com outros tem níveis menores de ansiedade e depressão, uma maior autoestima, empatia pelos demais, são mais confiantes e cooperativos, e, como consequência disto, outras pessoas se mostram mais predispostas a confiar e cooperar com elas. Em outras palavras, a conexão social gera um feedback (*) positivo de bem estar social, emocional e físico que contribui a felicidade.

Observação (*) Português: O feedback é um mecanismo , um processo em que um sinal se propaga dentro de um sistema , desde a sua saída à sua entrada, formando um laço. Este ciclo é chamado de ciclo de realimentação “feedback loop”. Em um sistema de controle, tem entradas e saídas do sistema; quando uma parte do sinal de saída reentra novamente, é chamado de realimentação “feedback”. O feedback e autorregulação estão intimamente relacionados A realimentação negativa , que é o mais comum, ajuda a manter a estabilidade em um sistema , apesar das mudanças externas. Ela está relacionada com a homeostase. O feedback positivo amplifica as possibilidades criativas (evolução, mudança de metas) é necessário aumentar a mudanças de estado, evolução, ou o crescimento. Isso dá ao sistema a capacidade de ter acesso a novos pontos de equilíbrio. Por exemplo, num organismo vivo, a mais forte reação positiva é fornecida por uma rápida autoexcitação de elementos do sistema endócrino e nervoso (particularmente em resposta a condições de stress) e desempenha um papel fundamental na regulação amorfogênese (crescimento e desenvolvimento de órgãos). Todos estes processos são o modo de deixar rapidamente o estado inicial. A homeostase é especialmente visível nos sistemas nervoso e endócrino quando a considera em um nível orgânico.

Referência: http://www.apa.org/news/press/releases/2011/09/volunteering-health.aspx

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *