Somos mais felizes quando investimos nos outros

Desde que adquirimos memória, estamos em uma busca constante pela felicidade. Esta busca nos leva a transitar por todas as formas possíveis para satisfazer os nossos desejos básicos e também outros não tão básicos como riqueza, fama, honra ou poder. Além disso, somos influenciados pela informação em um mundo capitalista e que nos oferece produtos de vários tipos “para sermos felizes”. Ao não ser possível obter tudo o que desejamos,  a insatisfação, de certa forma, nos aproxima da depressão ou da angustia e isso nos afasta da felicidade tão desejada. No entanto, essas necessidades advêm de uma sensação egoísta, individualista, de receber para nós mesmos.

Somos-más-felices-cuando-invertimos-en-los-demás-672x372
Claramente sabemos que o dinheiro não traz felicidade, tão pouco a fama; especialmente se pensarmos com base nos desejos egoístas. Ele é importante para atender às necessidades de subsistência, mas definitivamente não o é para alcançar a felicidade. Foi constatado, através de pesquisas nas ciências sociais, que os gastos pró-social,  ou seja, o investimento em gastos para a satisfação dos desejos dos outros é o que mais nos traz felicidade. De certa forma, realizar ações para os outros, bem como a cooperação e a solidariedade nos trazem um maior bem estar; receber um salário, não só pensando em suas próprias necessidades, mas pensando no bem-estar dos outros é um fator de felicidade, como explicam os especialistas no assunto.
Em seu livro “Dinheiro feliz” Michael Norton afirma: “podemos alcançar uma maior felicidade ganhando dinheiro para o bem-estar dos outros.” Norton fez um experimento dando dinheiro a dois grupos de pessoas; o primeiro deveria ser investido em si mesmos e o segundo nos outros. O resultado foi que os membros do segundo grupo, depois de completar a experiência, se sentiam muito mais felizes do que o primeiro grupo. Conclui-se que a quantidade de dinheiro gasto não fazia diferença, mas o simples fato de compartilhar com os outros foi o que gerou maior felicidade para além do valor investido.
Como nos mostra a pesquisa, estamos projetados para nos sentirmos bem e alcançar o bem-estar dando algo para os outros, ao invés de ficar recebendo para nós mesmos. Entender isso e reconhecer-nos capazes de trazer felicidade para outros implica receber apoio social das pessoas ao nosso redor. Assim mesmo, precisamos também conhecer nossa natureza para nos dirigirmos aos outros da maneira correta porque, finalmente, somos  interdependentes. Ser feliz é o que todos nós buscamos, e o caminho mais curto para atingir esse estado depende do que nós fornecemos aos outros.
Bibliografía:
http://www.ted.com/talks/michael_norton_how_to_buy_happiness

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *