A educação cooperativa: uma estratégia que fortalece a interação social

A educação escolar foi e seguirá sendo o foco de discussão central em todas as sociedades. Desde o seu principio até o presente, a escola é formadora de conhecimentos, mas também é o espaço onde nossos filhos crescem em convivência social permanente pela qual aprendem muitas de suas condutas. No entanto é relevante a participação colaborativa de todos seus atores neste processo de transformação, de modo que seu significado se torne válido dentro do nosso contexto de vida. Sua evolução vertiginosa é consequência natural das mudanças sociais, culturais, políticas e econômicas em nível mundial, cujo resultado é uma escola com maior consciência social; o que requer melhor preparação para alcançar a aprendizagem.

A educação cooperativa: uma estratégia que fortalece a interação social

Esta evolução está ligada a uma abordagem com enfoque inclusivo, cujo objetivo é garantir a todos os estudantes sem distinção de deficiências físicas, psíquicas ou comportamentais, sua aceitação em igualdade e o reconhecimento de suas capacidades, para os quais os currículos devem se adaptar, de maneira que alcancem uma aprendizagem satisfatória. Isto traz, como consequência, a necessidade de reconhecer as características pessoais de cada aluno, suas dificuldades, forças e talentos de ordem natural, como também o desenvolvimento de métodos necessários para estimular os alunos, sendo a aprendizagem o componente social da interação.

Dois fatores importantes no processo são: a mudança na relação entre professores, pais e alunos bem como o compromisso emergente entre eles frente ao objetivo educacional em comum. Da comunicação constante sobre os avanços ou inerentes às dificuldades surgidas da interação provém mecanismos reflexivos para aceitar distintos pontos de vista orientados para o mesmo fim. Quando as comunidades se tornam inclusivas são capazes de reconhecer a importância do aporte das individualidades no crescimento mútuo dos integrantes. Começa a se revelar o estado de interdependência reconhecido em muitos ambientes naturais, nos quais o ser humano não é alheio.

Uma estratégia relevante da educação inclusiva é a metodologia cooperativa, cujos fundamentos sustentam a aprendizagem por meio da interação social, gerando um clima adequado para a mesma. Quando a cultura da cooperação cresce no ambiente escolar, permite o desenvolvimento equilibrado de altas capacidades em múltiplos aspectos de cada aprendiz, e ao mesmo tempo beneficia o grupo com a consequente melhora na convivência dentro e fora do âmbito escolar.

Temos uma oportunidade frente ao propósito que parece emergir através da cooperação: a unidade entre os seres humanos. Numa geração que seja educada nesta nova gestão ninguém ficará fora, pois assim haverá avanço emocional para uma sociedade em garantia mútua. Todos e cada um dos seres que a integrem terão lugar, significado, importância e algo pessoal com o qual contribuir quando estão conscientemente interconectados. Será o fim da marginalização, dado que uma sociedade baseada nestes princípios cobrirá qualquer necessidade ou salvará toda difculdade, as que se transformarão em simples histórias do passado, às quais poderemos estar gratos, pela mudança que produziram.

Referência: http://www.tendencias21.net/La-cultura-de-la-cooperacion-posibilita-la-integracion-de-la-diversidad-en-las-escuelas_a15492.html