A saúde como estado de bem-estar físico, mental e social

Em 2008 a Universidade de Chicago publicou um estudo que revelou que a felicidade e o bem-estar da pessoa dependem das conexões humanas. Se se entende como saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social” nos damos conta verdadeiramente quão importante e quanto de nossa vida depende disto. Contudo, não estamos dando a devida importância a isso por muitas razões.

A estado de saúde e bem-estar

De fato, não fazemos isso porque entre outras coisas, vivemos em um ambiente no qual somos bombardeados com a mensagem oposta. É conveniente para certos grupos de interesse, que permaneçamos confundidos e atribuamos nosso bem-estar a fatores externos como dinheiro, estatus social, e todo tipo de bens materiais. Nossa contínua insatisfação é ao mesmo tempo base e produto de todo um sistema econômico, do qual aparentemente não podemos escapar.

Se saímos por um momento do enfoque reducionista de saúde no que vivemos como sociedade, nos damos conta – como demonstram numerosos estudos- que inclusive mais importante que o fator genético, é o fator ambiental. O desenvolvimento ótimo e saudável da mente do ser humano depende em grande parte do ambiente social no qual ele se encontre. É assombroso como nossa visão eugênica da pessoa, se derruba ao se descobrir que a completa potencialidade do novo ser e a plasticidade de seu cérebro respondem menos a questões materiais do que ao ambiente afetivo no qual se desenvolve. Inclusive dentro do ventre materno, nesse lugar onde aparentemente nada poderia afetar o novo ser humano, este se encontra à mercê do estresse, da insatisfação e demais emoções que a mãe possa ter.

Estamos tomando consciência desta realidade e sua repercussão no resto da vida da pessoa. Com respeito a isso o pediatra peruano Aníbal de Águila escreve: “Está plenamente reconhecido que um ambiente adverso durante o desenvolvimento pré- natal pode ter efeitos duradouros na fisiologia do indivíduo e seu risco de enfermidade”. É assim que o estudo das conexões positivas ganhou grande importância nos novos modelos de saúde. Martin Zeligman e Michael Csikszentmihalyi, descrevem este processo da seguinte maneira: “Acreditamos que surgirá uma psicologia que consiga um entendimento científico do funcionamento humano positivo e cujas intervenções eficazes sejam a base para a prosperidade de indivíduos, famílias, e comunidades.”

Nos últimos anos esta realidade se torna inevitável, e se converte em um novo paradigma e base para qualquer sistema de saúde e outros, que busquem ter êxito. Temos que nos conectar positivamente, buscar um ambiente favorável para nós e para nossos filhos; este ambiente deve se encarregar de que cada indivíduo, parte da família como da sociedade, se sinta ouvido, conectado, e apreciado. Fica claro que nossa busca de bem-estar e saúde deve contemplar um método de conexão onde através de múltiplas intervenções e atividades (jogos, workshops, conversas) se estabeleça um ambiente cooperativo e gerador de bem-estar.

Referências: Cacioppo, J. T., Hawkley, L. C., Kalil, A., Hughes, M. E., Waite, L., & Thisted, R. A. (2008). Happiness and the invisible threads of social connection: The Chicago Health, Aging, and Social Relations Study. In M. Eid & R. Larsen (Eds.), The science of well-being (pp. 195-219). New York: Guilford

http://psychology.uchicago.edu/people/faculty/cacioppo/jtcreprints/chkhwt08.pdf

http://www.pediatriaperu.org/images/spp%202012.pdf

http://psychology.about.com/od/branchesofpsycholog1/a/positive-psychology.htm

http://blogs.scientificamerican.com/streams-of-consciousness/2012/04/24/the-importance-

of-being-social/

http://www.acriticaldecision.org/links/why-is-the-environment-so-important.html

http://dana.org/Cerebrum/2012/The_Role_of_Stress_in_Brain_Development__The_Gestational_Environment%E2%80%99s_Long-Term_Effects_on_the_Brain/

http://www.psychologytoday.com/blog/the-athletes-way/201309/the-love-hormone-drives-human-urge-social-connection

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *