O teatro promove interações sociais

Todo o mundo é um cenário, e todos os homens e mulheres são meros atores: têm suas saídas e suas entradas; e um homem a seu tempo interpreta muitas partes…” William Shakespeare

O teatro promove interações sociais

Onde se encontra o sentido da vida?

Muitos dramaturgos tentaram responder a esta pergunta de uma maneira intuitiva; seu interesse estaria focado na interpretação da realidade e nas relações humanas, no momento que se cumpre as reações e emoções causadas pelo enfrentamento do ser humano com os seus semelhantes, pela interação constante entre as forças opostas da natureza que necessitam equilibrar-se constantemente. Precisamente, o sentido da vida se faz segundo suas atuações no conflito. E aqui o interessante é determinar de onde vêm estes conflitos e até onde nos levam.

PODEMOS SUPOR que em nosso cotidiano, a palavra conflito é sinônima de problema ou de pleito. Quando aparece não podemos conceber o conflito como algo positivo e em geral nos significa um grande problema. A diferença desta perspectiva é que o teatro objetiva encontrar sua razão de ser no conflito e se aproveita de sua existência para presentear a seus expectadores – aqueles clímaces dramáticos que nos relaxam e nos transformam uma e outra vez; ao mesmo tempo em que nos permitem refletir sobre as relações que estabelecemos com os demais.

Como seria uma obra de teatro ou um filme, no qual o protagonista teria tudo, não lhe faltaria nada nunca e iria bem em tudo, todos a seu redor o amariam, etc.? Seria emocionante? Teria alguma razão de ser? Não, em absoluto. A razão pela qual vemos alguma obra audiovisual é para nos dispersarmos, conectarmos com uma realidade distinta – às vezes familiar – com o conflito de seus protagonistas, com sua valentia, com seus medos, com suas dores e com suas vitórias. Vemos também que tudo está conectado por um elo condutor que nos leva a perceber as emoções dos demais como próprias. Muitas vezes nos sentimos identificados com alguns papéis. Diariamente, nos vemos enfrentando as situações desenhadas especificamente para nosso desenvolvimento pessoal; às vezes parecem ser a duras provas que não chegamos a tolerar em absoluto, nos perguntamos o porquê e continuamos nossa vida sem obter respostas satisfatórias à nossa inconformidade. Certamente com a experiência chegamos a um ponto de resignação, a vida segue, mas ignoramos que existe um estado ideal na existência que recai no direito de poder desfrutar plenamente da atuação neste cenário (a vida) e participar ativamente de tudo o que nos suceda. Assim como um ator com seu personagem, que finalmente, depois de muitos ensaios, imagina passar cada vez, com um pouco mais de segurança e sabedoria em cada cena porque terá compreendido que seu êxito depende de ter aprendido a trabalhar em equipe, em todos os âmbitos de sua vida. Terá compreendido que seu êxito depende também do êxito dos demais.

As peças teatrais e cinematográficas trazem dentro delas um grande número de situações humanas que centram em cada personagem um membro da equipe de trabalho, em uma cena de cooperação na medida exata de todos os participantes. Desta forma o diretor não teme por os seus atores em apuros porque sabe que terão a capacidade de, gradualmente, sobrepor aos desconfortos nos enfrentamentos; ele sabe onde devem ir seus personagens, porque já conhece de antemão a história; tem confiança em seus atores porque tem conhecimento do que são capazes para , em seguida, entender seu papel na cena. Portanto, o êxito da obra dependerá das relações que estabeleçam todos os participantes, da capacidade de trabalhar em harmonia, apoiando-se mutuamente.

Pelo que vemos existe uma sábia razão para afirmar que o teatro é nada mais, nada menos, que una metáfora da vida do ser humano, e nos oferece ferramentas para poder vivê-la em plenitude. Podemos pensar que toda esta aldeia global humana é o cenário; em sistema integrado por participantes que devem estabelecer vínculos positivos para criar obras também positivas, que gerem bem-estar para todos os integrantes do sistema que chamamos mundo. Fora de todas suas expressões, facilita e promove as interações necessárias para o crescimento da sociedade.

Referência: http://linnemagazine.com/2013/12/18/la-vida-como-teatro-shakespeare-calvino-y-nietzsche/