Alternativas ao desemprego – Nova visão para abordar sua problemática

O desemprego é a consequência imediata de um sistema sócio-econômico em crise. Transformou-se em um fenômeno crescente que afeta 200 milhões de pessoas, mais de 75 milhões são jovens entre 15 e 24 anos. A OIT (Organização Internacional do Trabalho) se refere a esta problemática como algo que põe toda uma geração em perigo. No entanto, todas as gerações em escala global, direta ou indiretamente, sentirão a chicotada deste fenômeno que nos afeta a todos, não só aos desempregados.

Desemprego

É cada vez mais evidente que o mundo está baixando o índice de produção, não só porque os recursos naturais estão se esgotando, mas também porque o desemprego frea a demanda de consumo. Não há dinheiro para consumir e não há educação sobre o consumo equilibrado. Tão pouco há uma organização eficiente no trabalho – a nível empresarial – que nos possa conduzir a viver com dignidade, trabalhando menos horas, para dar possibilidades de trabalho a outras pessoas, prevenindo o desemprego e a inatividade, com todas as consequências prejudiciais que estas acarretam.

Em primeiro lugar, o fato de não ter emprego prejudica todo o núcleo familiar. Há necessidades básicas que devem ser satisfeitas e sem um fonte de trabalho, isto fica comprometido. As relações familiares desmoronam ante as necessidades insatisfeitas e existe o risco de desintegração. Por sua vez, a família pouco a pouco se sente deslocada de seus círculos sociais. Uma infinidade de problemas nos leva a buscar alternativas para sair desta crise e superar a frustração de nos considerar excluídos do sistema, quando em realidade e visto de outra perspectiva, não estamos.

Algumas correntes de pensamento que surgiram na raiz da problemática do desemprego levam-nos a nos colocar em uma posição de abordar o fenômeno a partir de um novo lugar, numa abordagem sócio-educativa integral que nos propõe soluções à crise melhorando nossa conexão social. Os novos enfoques de resolução de problemas nos conduzem a tomar decisões coletivas e cooperativas a favor de todas as pessoas afetadas pela crise.

Diante destas demandas é necessário começar a nos conectar para encontrar soluções práticas e concretas para os problemas que o sistema capitalista traz. É necessária uma visão integral e colaborativa de toda a sociedade para alcançar princípios de justiça social e bem-estar, como também ações que contribuam para evitar o desestímulo de haver deixado de ser uma força produtiva. Sob nenhuma circunstância se pode permitir numa sociedade integral que as pessoas desempregadas caiam na armadilha da inércia e da inatividade, desconfiando de seu entorno. É imprescindível educá-las sobre as contribuições valiosas que podem dar à sociedade.

De fato, desde o enfoque integral e com nosso método de conexão, temos as ferramentas para converter essa inatividade em oportunidades de crescimento pessoal. Depois de experimentar o trabalho de conexão, estarão prontas para uma nova ocupação que se enraizará na própria transformação pessoal e do conjunto da sociedade. Se as pessoas desocupadas investirem seu tempo em participar de atividades educativas lúdicas, cujo objetivo é o entendimento da visão integral e global do mundo, da interdependência entre todas as pessoas, começarão a dar um passo importante na resolução de seus problemas.

Então, ao experimentar o funcionamento das leis que regem o mundo, nosso lugar nele e as necessidades relevantes da vida, propiciará à pessoa e ao seu entorno novos fundamentos para encarar a vida, com emprego ou sem ele. Obteremos pautas para manejar as crises em todos os âmbitos e iremos encontrando a maneira de satisfazer as necessidades básicas de alimento, vestuário e moradia, porque são problemáticas que todos enfrentamos e que juntos poderemos resolver a partir de nos transformar em uma cadeia colaborativa para a construção de uma sociedade próspera.

Convidamos você a conhecer mais detalhes de nossas atividades no site.

Referência: http://www.redetis.iipe.unesco.org/editorial-juventud-crisis-y-trabajo/#.U_pbSfl5M8z

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *